Carregando

Dívida de Financiamento Imobiliário


Dívida de financiamento imobiliário

Você que os juros de seu contrato estão indevidos? Quer se livrar desse problema? Saiba que o serviço de revisão de contrato que nós oferecemos é ideal para o que você precisa! Entenda melhor esse assunto e veja como podemos te ajudar.

CONSULTAR GRÁTIS

Dúvidas Frequentes

Como Reduzir Suas Parcelas no Financiamento de Imóvel?

Há uma série de irregularidades cometidas pelos bancos nos contratos de financiamento. Falta de orientações aos consumidores de forma clara e objetiva sobre: valor residual na entrega das chaves, taxas de juros e mecanismo de parcelas após a entrega das chaves. Pequenos detalhes que farão enorme diferença no bolso ao longo do período financiado. Diferença tão grande que pode inviabilizar a continuidade dos pagamentos e a sustentabilidade da família.

Como evitar que seu imóvel vá a leilão?

É necessário uma ação rápida, levando em conta queos bancos tem mais interesse em tomar posse do imóvel, do que em fazer acordos ou facilitar o pagamento. O primeiro passo é suspender o leilão, com argumento de que a execução extrajudicial é inconstitucional, uma vez que não lhe foi oferecida a mínima chance de defesa.

Atrasei as parcelas do financiamento imobiliário, e agora?

Todos sabem que em momentos de crise a palavra de ordem é “dá prioridade ao que for essencialmente necessário.

O fato é que com as recentes mudanças no sistema de financiamento de imóveis, aliadas à crise econômica, aumentou o número de brasileiros com dificuldades para arcar com os compromissos assumidos, dentre eles o financiamento da casa própria.

E nesse momento que tem-se que buscar uma solução para não perder o imóvel, ou seja, é necessário tentar uma renegociaçãoda dívida com o banco, algo que nem sempre é fácil.

Mas como fazer e como agir nessa situação? Aqui vão umas dicas importantes a serem seguidas, vejamos:

O primeiro passo é juntamente com o banco tentar aumentar o prazo do financiamento, mantendo a taxa de juros. É certo que ao final o valor do imóvel sairá bem maior do que o planejado, mas se a crise aperta deve-se considerar essa alternativa.

Caso a instituição financeira não aceite o seu pedido, você pode se utilizar da portabilidade bancária. Ela pode nesse momento lhe salvar, uma vez que outra instituição financeira deverá adquirir seu débito em melhores condições de pagamento e de taxas de juros. Neste caso lembre-se apenas de pesquisar bastante, pois se a taxa de juros for maior do que a atualmente paga, poderá não compensar utilizar essa modalidade.

Outra alternativa, é utilizar o FGTS para pagamento de parte das prestações que estão a vencer, lembrando que neste caso você paga 20% (vinte por cento) do valor das parcelas e o fundo 80% (oitenta por cento).

Já se as prestações estiverem em atraso só é possível utilizar o FGTS através de decisão judicial.

Caso as alternativas acima não lhes sejam viável ou a instituição financeira não dê condições de negociação, ainda existe a possibilidade de você alugar o imóvel, para que seja mantido o financiamento ou até mesmo em caso extremo vendê-lo, quitar a dívida e adquirir outro de menor valor.

Já se você não pode alugar ou não quer se desfazer do bem, em último caso, procure o Poder Judiciário, mais não deixe suas prestações atrasarem por muito tempo.

É que os financiamentos atuais são realizados com a garantia da alienação fiduciária de bens imóveis. Nessa modalidade se o mutuário atrasar com o pagamento de três parcelas ou mais, o banco já inicia o procedimento de execução extrajudicial da dívida e sua retomada é bem mais célere.

Por fim, fuja de empréstimos pessoais para quitar o financiamento, pois isto é uma péssima saída, uma vez que os juros praticados são bem maiores dos que os aplicados aos financiamentos habitacionais.

Pagando Juros Abusivos?

Revisamos contratos de financiamentos em toda Belo Horizonte e região metropolitana!

FALE COM UM CONSULTOR